Eficiência energética


O atual sistema de iluminação do campus consiste em lâmpadas de vapor de sódio de 250 W cada, que exigem reatores, capacitores e ignitores para o seu correto funcionamento, sendo que a potência média do conjunto medido in loco, com o uso de analisador de qualidade de energia em postes de toda a área que o projeto abrange, foi de 325 VA e possui uma taxa de distorção harmônica superior a 27%. Distorção harmônica esta que, além de prejudicar a qualidade da energia na rede do Campus, ainda contribui para a diminuição do fator de potência, o que representa uma influência direta na fatura de energia elétrica posto que o baixo fator de potencia é tarifado no Brasil.

As lâmpadas com tecnologia de vapor de sódio, além das características elétricas apresentadas, possuem um baixo índice de reprodução de cores (IRC) podendo chegar a 35%, o que dificulta a identificação de objetos e pessoas e, por consequência, reduz a segurança dentro do campus.

As lâmpadas LED utilizadas pela iniciativa Ponto Iluminado possuem certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO), garantindo a sua qualidade, sendo o fator de potência é igual ou superior a 0,92, e possuem potência nominal de 45 W. Testes foram realizados em todos os lotes de lâmpadas antes de sua instalação no sistema de iluminação externo, de forma a ratificar estes parâmetros.

Seguindo as regras da NBR 5101, além dos testes realizados nos locais onde esta sendo instalado o novo sistema de iluminação, foram realizadas pesquisas com os transeuntes e análises com o auxílio do software DIALux. 

Já tendo comprovado a eficiência do sistema através de modelos e com a substituição de algumas lâmpadas a caráter de teste, foi realizada uma pesquisa de opinião com pedestres e motoristas que trafegam pela região onde o sistema está em teste. Nesta pesquisa, 90,3% dos entrevistados acreditam que, em termos gerais, o sistema com as lâmpadas tipo LED é melhor do que o sistema de iluminação anterior.

Com isso, a modernização do sistema de iluminação do campus, além de trazer grande economia, benefícios para a rede elétrica, para a saúde dos transeuntes e para o meio ambiente, ainda atende de forma satisfatória os que fazem uso das vias internas do campus. Ressalta-se, ainda, que a modernização destes postes facilitou e tornou menos dispendioso em mais de 35% a manutenção destes, além de possuírem melhores condições para o planejamento da manutenção preventiva, o que, traz economia e inúmeros benefícios para o setor de manutenção da instituição.

Além da economia de energia elétrica de aproximadamente de 85%, a menor taxa de distorção de harmônicos e a não emissão de raios UV, o novo sistema implementado pelo projeto em uma área superior a 110.000 m², através de ações envolvendo toda a comunidade local, possui a iluminação necessária para que o caminho dos transeuntes seja iluminado com alto índice de reprodução de cores e com redução nas áreas de penumbra, sem causar grande poluição luminosa, como o sistema anterior de vapor de sódio.

Conforme relatos dos usuários do observatório do Departamento de Matemática da FEG, a poluição luminosa causada pelo sistema antigo acarretava em uma grande dificuldade na utilização do telescópio, visto que grande parte da luz era desperdiçada iluminando regiões que não deveriam ser iluminadas, como o céu.

Com seus focos voltados para as ruas e calçadas, as novas lâmpadas utilizadas pela Iniciativa Ponto Iluminado permitem que menos luz seja "desperdiçada" e que o caminhar dos transeuntes seja mais agradável por não causarem ofuscamento e por permitirem a melhor visualização de objetos ou deformidades no caminho que poderiam causar acidentes.